quarta-feira, 5 de agosto de 2015

VAI TER OLIMPÍADA!


A frase de composição duvidosa faz contraponto ao improvável “Não vai ter Copa!”, mantra de brasileiros indignados com os gastos excessivos e a construção de estádios desnecessários, o que o tempo de já encarrega de atestar. Assim como houve a Copa do Mundo 2014, haverá os Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016, com início exatamente daqui a um ano. Esperamos que seja um sucesso. A considerar reuniões anteriores, será.


Internet

Os gestores públicos providenciaram o bom funcionamento da cidade para receber a Rio + 20 em 2012, a Copa 2014, os Jogos Pan-Americanos 2007, e a Cimeira América Latina e Caribe/União Européia em 1999, para citar apenas grandes eventos mais recentes.



Nessas ocasiões, decretam-se feriados, esquemas de trânsito são modificados, criam-se faixas exclusivas e até retornos temporários, para que chefes de Estado, cartolas e delegações encontrem as ruas livres. Para cariocas e visitantes comuns o transporte público nem sempre atende à demanda.

Testemunhamos o impressionante aparato de segurança pública durante a Copa. Não se teve notícia de balas perdidas. Possivelmente mais seguro ainda o Rio de Janeiro ficará durante os JO. Quem poderia esquecer a imagem de um tanque de guerra apontado para a Rocinha nos dias da Conferência Rio 92?

Rio e cariocas acolherão visitantes muito bem, como sempre. Também é certo o empenho de equipes técnicas e profissionais das mais diversas áreas ao elaborar projetos, acompanhar a construção de equipamentos e traçar a logística respectiva para que o evento seja inesquecível.

Tal mérito, porém, não apaga a necessária visão crítica sobre oportunidades perdidas, promessas não cumpridas, prioridades equivocadas, e decisões, no mínimo, questionáveis, que afastaram a esperança de uma cidade muito melhor no pós-2016, por exemplo, quanto a termos água limpa na Baía de Guanabara, Lagoa Rodrigo de Freitas e lagoas da Baixada de Jacarepaguá. Os detritos e dejetos extrapolaram nossas lindas águas poluídas e inundaram o noticiário nacional e internacional na última semana, pondo fim à polêmica: despoluição da Baía de Guanabara só em 2030, disse o governador do Estado!

Quanto a projetos habitacionais e investimentos em áreas abandonadas, outro desperdício. Londres, que sediou os JO 2012, optou por direcionar recursos para áreas degradadas. Aqui “os rios correram para o mar”, como no ditado, no caso, a Barra da Tijuca e Jacarepaguá, locais escolhidos para a construção do Parque Olímpico e da Vila dos Atletas. Esta que nada é além de mais um condomínio de edifícios altos igual a dezenas existentes na vizinhança, região preferida pelo mercado imobiliário, onde vultuosos recursos públicos para implantação de infraestrutura são aplicados há décadas.

De nada adiantaram os apelos de urbanistas e instituições como o Instituto de Arquitetos do Brasil para que equipamentos para os jogos e, ao menos, as Vilas de Mídia e de Árbitros fossem construídas na região portuária, de modo a se constituírem os primeiros prédios residenciais do chamado Porto Maravilha, dando impulso à revitalização da antiga retro-área do Porto do Rio através da fundamental presença de habitação. Os desejados edifícios residenciais não surgiram pela compra dos certificados – CEPACS arrematados pela Caixa Econômica Federal em leilão que não atraiu, na época, nenhum investidor, um fiasco milionário! Após críticas ao modelo que não previu a construção de habitação social, e nem mesmo reservou parte da terra para prédios residenciais, a Prefeitura apresentou uma “solução” para o problema: liberou a construção de apartamentos conjugados, as antigas “quitinetes” dos anos 1950/60 banidas da legislação urbanística em 1970, desejo do mercado imobiliário há quatro décadas, período de investidas constantes desse setor, às quais os antecessores do atual prefeito resistiram estoicamente, e que podem voltar em torres de até 50 andares (sempre o gabarito!).


Área retirada do Parque Municipal Ecológico Marapendi, reserva ambiental integrante da Área de Proteção Ambiental Marapendi, para a construção de um Campo de Golfe: aproximadamente 450.000,00 m², ou, 45 ha.

Obs. Nessa medida está incluída a parte de 58.000,00 m² doada ao antigo Estado da Guanabara, portanto área já tornada pública e pertencente ao Parque. o restante seria obrigação do empreendedor dos condomínios Riserva também passar para a Prefeitura como parte do processo de licenciamento para construir, obrigação esta que, junto com a de construir a Avenida Prefeito Dulcídio Cardoso, foi dispensada em mais uma benesse urbanística prejudicial à cidade com a qual proprietários do terreno e construtores foram agraciados, entre outros favores.



O jogo de xadrez maquiavélico não se restringiu ao Porto. A máxima dita publicamente pelo Prefeito da cidade em entrevista à imprensa “Tudo é Pra Olimpíada”, sendo ou não para as Olimpíadas, eliminou o Autódromo do Rio de Janeiro para a construção de um Parque Olímpico nas alturas; demoliu o Velódromo do Rio recém-construído com verba pública; atingiu a reserva ambiental de Marapendi – mutilada para a construção de um Campo de Golfe cuja necessidade jamais ficou clara; desmatou a região de Deodoro; descaracterizou o Parque do Flamengo e a Marina da Glória; construirá uma arquibancada sobre bem cultural tombado que é o espelho d’água da Lagoa Rodrigo de Freitas; rasgou a cidade com estradas para o Bus Rapid Transit, BRTs que já não atendem à demanda; aumentou índices construtivos em todo o Rio de Janeiro, em especial na Barra da Tijuca e em Jacarepaguá; a criação do Parque Nelson Mandela é apenas um engôdo, também para beneficiar o real estate; ou um liberou gabaritos e dispensou taxas e impostos para hotéis; pretende aumentar índices em vários outros bairros, inclusive ao longo da chamada Transcarioca, que substituiu a Linha 6 do Metrô. Quanto ao Metrô optou-se por estender a Linha 1 até à Estação Gávea, rebatizada de Linha 4 e descartou-se o traçado original Centro – Botafogo - Gávea via Humaitá e Jardim Botânico; regiões que mais necessitam do transporte de massa sobre trilhos como o Centro (concluir a Linha 2, construir rede metroviária na ZP, substituídos por BRS, BRT e VLT), e a Zona Norte (inclusive para o Aeroporto Internacional), com benefícios importantes para a Região Metropolitana, foram desprezadas.

Afinal, a que serve o BRT?

A 366 dias da festa de abertura, só importa que fogos, danças e luzes alegrem o coração de muitos. Os competidores entrarão sorrindo e genuinamente felizes no Maracanã repaginado, sem a marquise-ícone gigantesca demolida “Pra Copa”. Patrocinadores, mídias televisiva, impressa e digital divulgarão belas imagens das competições e da exuberante paisagem carioca.

Quanto às oportunidades perdidas para o Rio de Janeiro e para os cariocas, perdidas estão. Se não adianta chorar o leite derramado, muito menos o concreto. Para nós, munícipes, restará torcer pelos nossos atletas olímpicos e paralímpicos. Que venham muitas medalhas!

Vai ter Olimpíada. Era possível tê-la sem o golfe, do qual o atual prefeito fez questãoQuanto ao legado, apenas a demolição do Elevado da Perimetral, sonhada pelo arquiteto Prefeito Luiz Paulo Conde e pelo economista Cesar Maia quando prefeitos. Quanto ao resto, aguardemos 2030.

Urbe CaRioca





Nenhum comentário:

Postar um comentário