segunda-feira, 13 de julho de 2015

AS ARQUIBANCADAS FLUTUANTES NA LAGOA RODRIGO DE FREITAS

Vista de como ficará o Estádio de Remo da Lagoa para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, segundo o Dossiê de Candidatura. (Página EGP-Rio) 


As arquibancadas que a Prefeitura / Comitê Rio 2016 pretende construir sobre o espelho d’água da Lagoa Rodrigo de Freitas – alegada a necessidade para os Jogos Olímpicos devido às provas de remo e canoagem - continuam a gerar discussões.

Comentamos o assunto na postagem de 15/10/2014* LAGOA RODRIGO DE FREITAS – O REMO E OS TRAMBOLHOS PROVISÓRIOS PERMANENTES e, em 12/02/2015 em LAGOA RODRIGO DE FREITAS, AINDA OS TRAMBOLHOS E OS JOGOS.


Trecho do post de 12/02/2015

'Na postagem anterior mais recente mencionamos o projeto para a construção de arquibancadas sobre o espelho d’água da poluída Rodrigo de Freitas, conforme constava da página do Esc. de Gerenciamento de Projetos do Governo do Rio de Janeiro (EGP-Rio). No mesmo tema, cerca de um mês depois transcrevemos o comunicado do movimento S. O. S. Estádio de Remo que pode ser conhecido AQUI.


No início de janeiro/2015 o jornal O Globo divulgou uma nota segundo a qual “Depois de muita polêmica foi reduzido de dez para quatro mil lugares o projeto de construção de uma arquibancada temporária sobre o espelho d’água da Lagoa, palco de competições de remo e canoagem durante as Olimpíadas. Nos Jogos anteriores, estas competições eram afastadas. No Rio, elas se darão num dos cartões-postais da cidade”.

Pode ser um caso típico de “retirar o bode da sala”. Por outro lado, a notícia de que as obras estarão prontas em daqui a 8 meses, também divulgada pela imprensa, não menciona porte da construção nem características de projeto, embora a ilustração da reportagem seja idêntica à anterior.'


Vista do espelho d' água a partir do Estádio de Remo da Lagoa Rodrigo de Freitas, paisagem que será obstruída pelas arquibancadas que se pretendo construir "prá Olímpíada".


Na última sexta-feira foi um dos itens lembrados em ENTRE BANCOS, PLACAS, TRAMBOLHOS, UFAs E REMOÇÕES... DE PESSOAS, neste blog, quando mencionamos o toldo que se eterniza sobre a arquibancada mais baixa (segundo bloco do Complexo do Estádio de Remo da Lagoa, reconstruído com altura superior à permitida), contrariando as normas urbanísticas e de proteção do patrimônio cultural da cidade que protegem a ambiência da Lagoa, bem tombado em nível municipal e federal.

Coincidentemente, um dia após, o jornal O Globo informou que uma liminar da Justiça Federal proibiu a referida construção, decisão que “tem caráter preventivo e impede que as intervenções comecem até que sejam sanadas todas as dúvidas a respeito das medidas de proteção ao patrimônio e ao meio ambiente” segundo a reportagem.

Abaixo estão os links para a proposta de ação civil pública do MPF com pedido de liminar, e a decisão da 29ª Vara Federal do Rio de Janeiro (arquivos pdf).

Agradecemos à AMAJB pela gentileza do envio desses documentos ao blog, para divulgação.

Urbe CaRioca





Na imagem publicada no jornal O Globo em 24/11/2014 sobre problemas de dragagem na Lagoa Rodrigo de Freitas visualiza-se um "trambolho provisório-permanente": a instalação de estrutura para realização de eventos e festas sobre a laje das arquibancadas contraria as restrições impostas pelas leis vigentes para proteção do entorno do espelho d'água, bem tombado municipal. A estrutura metálica foi erguida pela última vez na época da Copa do Mundo. As lonas foram retiradas, pilares e vigas continuaram, e, em seguida, a cobertura foi reinstalada para novos eventos "provisórios-permanentes". Continua lá até hoje.


*NOTA
Em 19/10/2014 a imprensa (OG) publicou reportagem ampla sobre o projeto para construir arquibancadas sobre o espelho d’água da Lagoa Rodrigo de Freitas e informou que o caso estava sendo questionado pelo MPRJ.

Nenhum comentário:

Postar um comentário